SÍNDROME DE BURNOUT: QUAL É A RESPONSABILIDADE DA EMPRESA?

síndrome de burnout

A Síndrome de Burnout é um distúrbio emocional muito frequente e está relacionada, principalmente, ao esgotamento físico e ao estresse. Costuma ser uma doença laboral bem comum.

Toda empresa possui responsabilidades para com seus funcionários. E uma delas é oferecer apoio preventivo ao colaborador e providenciar o atendimento adequado quando ele apresenta sintomas de doenças relacionadas ao trabalho.

O ambiente de trabalho pode causar vários impactos físicos e psicológicos, o que gera a chamada doença ocupacional.

De acordo com os dados levantados pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação, do Ministério da Saúde, o número total de auxílios-doença por distúrbios mentais concedidos em 2020 passou de 289 mil.

A pandemia do novo coronavírus foi um fator que teve grande influência no aumento de casos de afastamento do trabalho por doenças mentais. Essa nova realidade fez com que o estresse e a exaustão, já existentes entre os trabalhadores, crescessem.

Segundo uma pesquisa da International Stress Management Association no Brasil (Isma-Br), estima-se que 30% dos trabalhadores brasileiros sofram com a Síndrome de Burnout.

Para entender mais sobre o que é esse distúrbio e como a sua empresa deve agir, continue a leitura!

síndrome de burnout

Síndrome de Burnout: o que é e quais são as causas?

A síndrome de Burnout também é conhecida como síndrome do esgotamento profissional. Esse distúrbio mental é causado necessariamente pelo trabalho.

O nome vem do inglês “burn” que significa queimar e “out” que significa fora. Quando usadas em conjunto, significam o desgaste ou combustão completa do indivíduo.

A Síndrome de Burnout está relacionada aos sintomas de esgotamento físico e psíquico, os quais são causados por uma exaustão excessiva, bem como um estresse contínuo que têm o ambiente de trabalho desgastante como responsável.

Na maior parte das vezes, é um distúrbio provocado pelo excesso de responsabilidade ou até mesmo pela competitividade. E a doença tem impactos tanto físicos quanto psicológicos para o colaborador.

Ou seja, ao sofrer da síndrome do esgotamento profissional, não é só o desempenho dentro do trabalho que fica comprometido, mas também as suas relações pessoais e o autocuidado.

distúrbio emocional no trabalho

Saiba como reconhecer os sintomas!

É muito importante que a sua empresa aprenda a reconhecer os sintomas, assim entendendo quando deve oferecer apoio a seus funcionários ou quando deve melhorar o ambiente de trabalho para eles.

Os sintomas mais comuns são exaustão mental e esgotamento físico. Contudo, existem outros sinais que você deve observar, como:

– Queixa sobre dores de cabeça frequentes;

– Problemas gastrointestinais;

– Alteração no apetite;

– Dificuldade para se concentrar e para dormir;

– Sentimentos de fracasso e incompetência.

Outro ponto que merece observação é: o colaborador tem se isolado dos outros colegas de trabalho ou tem tido muitas alterações repentinas no humor? Ambos são indícios da síndrome de burnout.

Síndrome de burnout: tem relação com a atividade laboral!

É importante ressaltar que nem todos os funcionários sofrem com essa síndrome, apenas aqueles que são submetidos a algumas condições de trabalho que os levem ao esgotamento físico e psíquico.

Essas condições podem ser bem variadas, como, por exemplo: metas impossíveis de serem atingidas, sobrecarga de trabalho, responsabilização por atos de colegas, prazos muito curtos, cobrança excessiva, entre outros.

Ou seja, o colaborador pode desenvolver a Síndrome de Burnout por causa de práticas que o empregador ou outros representantes (geralmente superiores diretos ou indiretos) tomaram.

Nesses casos, a questão acaba se tornando jurídica e a empresa fica sujeita a pagar indenização por danos materiais e morais.

O empregador possui uma responsabilidade objetiva em relação às doenças laborais. É dever dele fazer com que o ambiente de trabalho seja saudável e seguro para todos os seus funcionários.

doença laboral

O que fazer quando um trabalhador apresentar sintomas da Síndrome de Burnout?

Caso um colaborador comece a apresentar sintomas claros de que está sofrendo desse distúrbio mental, ofereça ajuda. Afinal, a doença pode ser tratada através da psicoterapia e de medicamentos.

Você também pode incentivar seus funcionários a praticarem atividades físicas e de lazer regulares, dois fatores que auxiliam na recuperação do equilíbrio do indivíduo.

Síndrome de Burnout: como mudar essa realidade dentro da minha empresa?

A síndrome do esgotamento profissional é como um acidente de trabalho, por ser desencadeada no mesmo tipo de ambiente. Por isso, o colaborador recebe o direito de garantia de emprego.

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) oferece aos segurados um tipo de benefício por incapacidade que é conhecido como auxílio-doença. Ele é concedido em casos de invalidez temporária.

Depois de ficar afastado do trabalho por 15 dias, com atestado médico, o funcionário pode solicitar uma perícia no INSS. Assim que ela confirmar a existência do distúrbio, irá liberar o auxílio para o segurado.

Se o benefício é aprovado, quando o trabalhador retorna para suas atividades profissionais, ele tem uma garantia de estabilidade no emprego de 12 meses.

Ou seja, a empresa será obrigada a continuar com seu funcionário. E, claro, ainda correndo o risco de sofrer um processo de indenização por danos morais e materiais.

Em alguns casos, o colaborador acaba decidindo sair da empresa para poder processá-la sem precisar frequentar um ambiente de trabalho com clima pesado e sem sofrer risco de retaliação.

Nesses casos, o que acontece é uma rescisão indireta por Síndrome de Burnout. Então, o profissional encerra seu vínculo com a empresa sem sofrer nenhuma perda.

Quando os funcionários estão sofrendo com essa doença, sua empresa não corre apenas riscos jurídicos, mas também uma queda bem grande no desempenho da equipe.

Para que essa realidade mude, preste atenção em quais fatores têm afetado mais seus colaboradores: é uma sobrecarga de trabalho? É falta de apoio?

Comece a investir em ações preventivas e construa uma cultura mais sustentável dentro de sua empresa. Tem alguma dúvida? Entre em contato conosco clicando aqui.

escritório de direito trabalhista em São Paulo

Custódio Lima Advogados Associados

O Custódio Lima Advogados Associados é um escritório especializado em Direito Empresarial, Direito do Trabalho, Direito Previdenciário, Direito Sindical e Direito de Família.

Nosso escritório está localizado em São Paulo, na Barra Funda, em frente ao Fórum Trabalhista Ruy Barbosa, na Avenida Marquês de São Vicente, nº 230, Conjuntos 501 a 504.

Se tiver qualquer dúvida, pode perguntar clicando aqui. Em breve, responderemos.

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Fale com um Advogado
Olá! Precisando de um Advogado? Fale conosco